Flávio Augusto – 10 Segredos de Sucesso

Share on Pinterest

Flávio Augusto é um dos principais ícones do empreendedorismo no Brasil.

Flávio Augusto fundou a escola de inglês Wise Up com apenas 23 anos de idade usando como capital inicial, R$ 20 mil reais de seu cheque especial a um custo de 12% ao mês em juros. Que se tornou uma marca líder no ensino de inglês para adultos, com mais de 500 franquias presentes no Brasil, Argentina, Colômbia, México, EUA e China.

Em 2013, Flávio Augusto vendeu sua holding para o Grupo Abril Educação, uma das maiores redes de educação do mundo, por R$877 milhões de reais e passou também a ser seu segundo maior acionista.

Entre 2009 e 2012 ele morou em Orlando onde percebeu um enorme potencial de crescimento do futebol nos EUA e ainda em 2013, adquiriu o clube Orlando City, com o objetivo de fazer dele uma marca global e torná-lo o segundo clube dos brasileiros.

É também o idealizador do Geração de Valor, projeto focado em inspirar jovens que estão iniciando a carreira e desejam chegar mais longe, aprendendo com a experiência de mais de 20 anos de carreira de um grande empreendedor de sucesso.

No decorrer desse projeto ele foi abordado por um de seus seguidores que lhe colocou a seguinte questão:

O que você faria se tivesse 18 anos de idade e tivesse a experiência que tem hoje?

Essa pergunta o intrigou, ele começou a escrever e criou um post onde menciona 10 passos que ele daria caso ele tivesse 18 anos e estivesse começando a empreender hoje.

Esse foi um dos posts mais lidos do Geração de Valor, ele foi lido por mais de 1 milhão e 500 mil pessoas com uma enorme repercussão.

Por sua vez esse post deu origem a um vídeo onde ele apresenta e discute cada um desses passos detalhadamente.

Estes são os 10 segredos de sucesso de Flávio Augusto da Silva:

 

  1. Jamais teria um emprego

flavio augusto jamais teria um emprego

Flávio Augusto Nunca teve um emprego, em 1991, com apenas 19 anos de idade ele teve a sua primeira experiência profissional como vendedor numa escola de Inglês sem carteira assinada, ele nunca recebeu férias, nem 13º, nem fundo de garantia, nem nenhum dos benefícios de um funcionário com contrato CLT.

Flávio Augusto era vendedor, se ele vendesse ele ganhava, se ele não vendesse ele não ganhava, ele nunca teve nada que tivesse algum medo de largar para poder empreender ou construir um negócio, ele não precisou vencer o medo de largar um emprego para iniciar um projeto, porque ele nunca teve um emprego, nem um salário.

Ele começou a trabalhar como vendedor sem nenhuma garantia, o que do ponto de vista trabalhista é totalmente informal, no entanto foi algo positivo para ele pois para além de ele nunca ter tido nada a perder, aprendeu a produzir o seu ganho, quanto mais ele produzisse mais ele ganhava e vice versa.

Esta primeira experiência profissional de Flávio Augusto que teve a duração de 4 anos acabou por ser um treinamento para que ele pudesse empreender, ele foi gerente, depois foi diretor e mesmo nesses cargos o que aumentavam eram as comissões, portanto era um trabalho 100% variável.

Ainda assim Flávio Augusto considera importante ter um emprego caso ele seja provisório, tal como aconteceu com ele, aquela primeira experiência profissional acabou por ser uma grande escola de vendas, ele que era tímido, hoje consegue falar para milhares de pessoas, aquela escola de vendas adudou-o a ultrapassar aquela timidez e a se tornar mais autoconfiante

PS: Se está gostando deste artigo não perca os 10 Segredos de Sucesso de Jorge Paulo Lemann (brasileiro considerado em 2015 pela Forbes como a vigésima sexta pessoa mais rica do planeta, liderando alguns dos maiores negócios do mundo).

 

  1. Venderia algum produto. Qualquer um: picolé, bala, bombom, relógio, pão etc. Identificaria o produto com o qual mais me identifico e estudaria tudo sobre ele

 

Caso Flávio Augusto tivesse 18 anos e não tivesse dinheiro para montar uma empresa, ele escolheria e venderia um produto, porque ele começou sua vida assim, primeiramente vendendo relógios e como ele não tinha dinheiro quando começou, ele teve que convencer um camelô do centro do Rio de Janeiro a lhe entregar alguns relógios à consignação, e como Flávio Augusto era bom vendedor e bom pagador ganhou a confiança desse sujeito e foi vendendo cada vez mais.

Isso foi uma experiência inicial de grande importância, pois ele aprendeu a lidar com clientes, muitas pessoas têm preconceito com vendas, mas no fundo empreender é vender, a Volkswagen se não vender quebra, a Apples se não vender quebra, todo o empreendedor que tem sua empresa se não vender quebra, pois a atividade básica de uma empresa é vender produtos ou serviços.

Flávio Augusto não prosseguiu com o negócio da venda de relógios, mas prosseguiu com o negócio de venda de cursos de Inglês e permaneceu nele de 1991 a 2013, foram 22 anos vendendo cursos de Inglês, 4 anos numa empresa onde teve a sua primeira experiência profissional, e 18 anos com a sua própria empresa que começou com 1 escola e chegou até mais de 380 escolas funcionando em 5 países com mais de 10.000 funcionários, quando ele vendeu a companhia numa das maiores transações do setor da educação no Brasil.

Se ele tivesse 18 anos ele venderia qualquer produto, até mesmo picolé, a Kibon vende picolé, você pode ter uma industria de picolé e vender no mundo inteiro, a primeira coisa a fazer mesmo é acabar com o preconceito sobre o produto ou atividade e começar vendendo algum produto.

 

  1. Jamais me envolveria com pirâmides

 

Segundo Flávio pirâmide é aquele negócio de ganhar dinheiro fácil como muito se vê pela internet do género “Ganhe 5000 por semana”, pirâmide financeira é crime contra a economia popular e como tal ele jamais participaria de nenhuma pirâmide, neste sentido é importante distinguir os conceitos de pirâmide e de Marketing Multinível.

Um esquema em pirâmide conhecido também como pirâmide financeira, é um modelo comercial previsivelmente não-sustentável que depende basicamente do recrutamento progressivo de outras pessoas para o esquema, a níveis insustentáveis, pois este esquema disfarça que existe um produto, mas no fundo a empresa fatura através da adesão de novos membros.

No caso do Marketing Multinível também conhecido como marketing de rede a empresa vive da venda de produtos, é um modelo comercial de distribuição de bens ou serviços em que os ganhos advêm essencialmente da venda efetiva de produtos. Diferencia-se do chamado “esquema em pirâmide” por ter a maior parte de seus rendimentos oriunda da venda dos produtos, enquanto, na pirâmide, os lucros vêm, apenas ou maioritariamente, do recrutamento de novos vendedores.

Segundo Flávio Augusto, Marketing Multinível é não só uma boa experiência de empreender, como também é uma boa escola de vendas, no entanto ainda assim ele não participaria de nenhum negócio desta natureza devido ao elevado risco envolvido, uma vez que o seu sucesso é determinado pelo esforço de uma equipe, se ele participasse de algo assim seria por pouco tempo com o objetivo de aprender a vender, no mais ele se focaria em desenvolver sua própria marca, afim de poder ter um impacto social, empregar pessoas e criar um valor patrimonial.

 

  1. Numa segunda fase, depois de conquistar um pouquinho de capital, criaria modelos recorrentes de venda desse produto, tipo um serviço de entrega de pães todas as manhãs com consumidores associados. Me dedicaria a vender esse plano. Tudo sem muito capital, mas que me permitisse começar pequeno e sonhar grande e com escala

flavio augusto vendas recorrentes

Uma coisa que Flávio Augusto aprendeu na vida é que o trabalho de vender 1 produto muitas vezes é o trabalho de vender 1 produto com vendas recorrentes. Por exemplo, a maioria das padarias espera que o cliente venha até à padaria para comprar pão, Flávio diz que se tivesse uma padaria não teria a paciência de ficar esperando que cliente comprasse seu pão.

Flávio Augusto criaria um plano para em vender pão a uma grande parte da população na sua região, mas para isso ele não poderia contar que esse elevado numero de pessoas se dirigisse diariamente à padaria para comprar pão, até porque isso causaria um congestionamento.

Nesse sentido ele criaria um sistema recorrente de venda de pão, se considerarmos que que a maioria das famílias consome pão diariamente, porque não fazer um pacote de venda de pão mensal, em que o pão é entregue na casa dessas pessoas diariamente, quentinho, através de um sistema de entregas do tipo motoboy.

Com o mesmo trabalho de vender 1 pão ele venderia um contrato anual de entrega de pão, este é apenas um mero exemplo de um modelo recorrente de venda, que pode ser aplicado a praticamente qualquer negócio.

 

  1. Viveria com não mais do que 50% do que ganhasse para ampliar meu capital de giro

 

Aqui começam os desafios, neste ponto supõem-se que a pessoa que seguiu os passos anteriores já começou a ter o primeiro sucesso, e neste momento a maioria das pessoas já pensa em comprar um carrão ou uma moto nova, afim de priorizar o status.

No sentido de continuar a progredir Flávio não só não pensaria no seu conforto, como viveria com não mais do que 50% do que ganhasse para ampliar meu capital de giro, o que apesar de não ser muito simples é possível.

Porque ele faria isso? Porque ao ampliar meu capital de giro você pode investir em seu negócio, e dessa forma você coloca o dinheiro para trabalhar para você, evita entrar na onda insana de consumo e aumenta as chances de conquistar sua independência financeira.

 

  1. Me dedicaria a estudar todas as fases do processo a fim de começar a fabricar meu próprio produto e investiria em minha própria marca

 

Segundo Flávio Augusto se o seu produto é fisico, neste ponto você já pode começar a fabricar o seu próprio produto, ou começar a compra-lo em maior volume afim de baixar o custo do mesmo e aumentar a margem.

Investir em sua própria marca é chave pois ela representa a sua independência e o seu património, pois caso a propriedade intelectual seja sua e a sua marca expanda ela pode vir a valer vários milhões.

Acerca do estudo necessário para se aprofundar em sua área Flávio Augusto acrescenta neste ponto que jamais passaria 4 ou 5 anos de sua vida em uma faculdade por considerar tempo a mais, doutrinas ideológicas a mais, e greves a mais, pois ao final de 7 anos de abrir sua primeira empresa, ele já tinha 1000 funcionários.

Quando o filhos de Flávio lhe perguntam se devem fazer faculdade, ele responde peremptoriamente que não, não que ele não os aconselhe a estudar, muito pelo contrário, o 1º conselho que ele lhes dá é que eles estudem muito, de 2 formas, fazendo uma faculdade online para criar o hábito de buscar informação e buscando informações especificas na área onde pretendem empreender.

Flávio Augusto valoriza muito mais a pesquisa própria do que o ensino formal em troca de um diploma. Quando ele entrou na área de desporto com a aquisição do clube de Futebol Orlando City ele teve que mergulhar em uma pesquisa profunda do mundo do Futebol, para se aprofundar ao máximo e trazer inovações para o setor, sem ter tido que fazer uma faculdade de Futebol para o conseguir.

 

  1. Ampliaria meu mix de produtos

 

Muitas vezes na mesma venda, que já é uma venda recorrente, é possível ter produtos acessórios que poderão ser vendidos conjuntamente, por exemplo quando você vai a uma loja comprar uma camisa é comum o vendedor sugerir outros produtos como um cinto, um par de sapatos, carteira, meias, cuecas…

Se você já tem a sua marca, o seu produto, já criou um plano de vendas recorrentes, é hora de ampliar o seu mix de produtos para que no momento da venda você consiga ampliar o seu faturamento com o mesmo cliente.

 

  1. Criaria canais de distribuição alternativos, por exemplo, franquias, online, venda direta, B2B, etc

flavio augusto franchise

Sempre que Flávio Augusto investe numa empresa, primeiramente ele analisa o seu potencial de escalabilidade, por exemplo no caso da escola de Inglês, Wise Up, primeira empresa dele, ela tinha um forte potencial de escalabilidade, tanto que em apenas 3 anos ele abriu 24 escolas, uma escola inaugurada a cada 45 dias.

Foi nessa altura que Flávio se começou a sentir sobrecarregado, percebeu a necessidade de se reinventar e decidiu expandir o negócio através do modelo de franquias. No entanto como ele não tinha conhecimentos suficientes em relação ao modelo de franquias, contratou um especialista para o auxiliar.

Caso necessite de saber como utilizar os mecanismos das franquias para obter sucesso no seu negócio, se aconselhe junto de especialistas como é o caso da Cherto.

Outro exemplo de canal de distribuição é a Internet, hoje Flávio Augusto tem acesso a milhões de seguidores de vários países através das redes sociais e de várias outras plataformas online.

Outro exemplo de canal de distribuição é a venda direta, a Avon é uma empresa bilionária que está no mundo todo através do sistema de venda direta, por exemplo roupa é um excelente produto para se vender através do sistema de venda direta porque nem todo mundo tem tempo para ir até uma loja comprar roupa.

Através dos sistema de venda direta você pode ter por hipótese uma equipe de várias centenas de pessoas, vendendo roupa para você, as quais você pode incentivar e estimular através de concursos e competições com direito a prémios de produtividade e desenvolver através de um sistema de treinamento padronizado.

Outro exemplo de canal de distribuição é o B2B (Business-to-business) que é a denominação do comércio estabelecido entre empresas. Um bom exemplo de B2B é o de uma empresa que terceiriza produtos para outras empresas que são suas clientes. Assim sendo você em sua empresa poderá ter uma linha de produtos corporativos.

O mesmo produto pode ser vendido através de diferentes canais de distribuição, é como se cada canal fosse uma empresa diferente, o seu negócio cresce a medida que você amplia o numero de canais de distribuição.

 

  1. No auge da companhia, venderia para um fundo, banco ou concorrente, embolsando uma enorme liquidez.

 

Qual o porquê de vender um negócio que você criou com tanto amor e dedicação?

Por um lado cada empreendedor tem um tempo definido em um determinado negócio, senão ou ele se acomoda, ou ele se desgasta, principalmente no caso dos empreendedores que se motivam com a construção de negócios.

Por outro lado é um grande reconhecimento e prestigio despertar interesse no mercado a ponto de ter um fundo, banco ou concorrente disposto a comprar o negócio que você criou, sem contar que o preço de um negócio é de sensivelmente 10x o seu lucro anual, o que significa que você recebe hoje de forma antecipada o lucro dos 10 anos seguintes, dando-lhe a liberdade de construir um próximo negócio.

A venda de uma empresa á um momento em que você sente que cumpriu a sua missão, passa a responsabilidade e o risco da operação adiante e vai desfrutar do património que você construiu.

Mas tome nota que a venda da empresa deve ser feita no auge da mesma pois assim você venderá pelo melhor preço.

 

  1. Com 5% do capital conquistado, começaria tudo de novo e investiria os 95% em investimentos conservadores em moeda estrangeira.

 

Flávio Augusto é muito arrojado em negócios, ele investe, não tem problemas em correr riscos, porém para investir o seu dinheiro ele é bastante conservador, porque quando ele abre um negócio, ele tem a operação em sua mão e depende essencialmente dele mesmo.

Quando ele investiu por exemplo em ações de empresas ele teve que confiar em outros executivos que estão gerindo essas empresas e esse é um dos motivos porque atualmente não investe em ações, pois confia mais nele próprio para gerir um negócio, do que nos outros.

Daí o motivo de preferir investimentos conservadores e em moeda estrangeira, e porquê em moeda estrangeira? Porque hoje vivemos um período de grande flutuação cambial, principalmente em época de eleições, é perceptível que dependendo do resultado da pesquisa ocorrem oscilações na bolsa e no dólar.

E na hora de investir o seu dinheiro você não pode ficar à mercê do sobe e desce das pesquisas eleitorais e do desempenho dos executivos das empresas de capital aberto.

Então o que é que seria um bom exemplo de um investimento conservador em moeda estrangeira, títulos de dívidas de governos Triple A, ou seja governos bons pagadores, ou de empresas Triple A do género da Apple, o que lhe dá um retorno na ordem dos 5% ao ano em dólar.

Hoje no Brasil, numa aplicação conservadora você pode ganhar entre 9% a 11% ao ano em real, no entanto só a previsão da inflação é superior a 6%, e ainda corre o risco de perder dinheiro caso o dólar suba.

 

Recapitulando os 10 Segredos de Flávio Augusto da Silva:

Aqui estão os 10 segredos de sucesso de Flávio Augusto, caso você deseje ter uma referência fácil para se guiar.

  1. Jamais teria um emprego.
  2. Venderia algum produto. Qualquer um: picolé, bala, bombom, relógio, pão etc. Identificaria o produto com o qual mais me identifico e estudaria tudo sobre ele.
  3. Jamais me envolveria com pirâmides.
  4. Numa segunda fase, depois de conquistar um pouquinho de capital, criaria modelos recorrentes de venda desse produto, tipo um serviço de entrega de pães todas as manhãs com consumidores associados. Me dedicaria a vender esse plano. Tudo sem muito capital, mas que me permitisse começar pequeno e sonhar grande e com escala.
  5. Viveria com não mais do que 50% do que ganhasse para ampliar meu capital de giro.
  6. Me dedicaria a estudar todas as fases do processo a fim de começar a fabricar meu próprio produto e investiria em minha própria marca.
  7. Ampliaria meu mix de produtos.
  8. Criaria canais de distribuição alternativos, por exemplo, franquias, online, venda direta, B2B etc.
  9. No auge da companhia, venderia para um fundo, banco ou concorrente, embolsando uma enorme liquidez.
  10. Com 5% do capital conquistado, começaria tudo de novo e investiria os 95% em investimentos conservadores em moeda estrangeira.

 

Conclusão

 

Seguir uma trajetória de vida como esta pode não ser tão simples, pois ela não é uma trajetória de vida comum e nós não somos treinados nesta sociedade para ter uma mentalidade como esta, então qualquer pessoas arrojada que tome a decisão de seguir um caminho como este deve estar preparado para lidar com alguns problemas.

Problemas frequentes:

  1. O sistema convencional de ensino não prepara ninguém para nada disso, ele condiciona, doutrina e prepara pessoas para o mercado de trabalho.
  2. A sociedade discrimina os que começam esse tipo de jornada, mas bajula os que chegam ao final dela.
  3. As pessoas têm medo de sair do quadrado, porque dentro do quadrado junto com a “boiada” é um lugar seguro.
  4. Você raramente terá apoio se disser que não quer mais seguir a “boiada”.
  5. Capital é bom, mas é possível conquista-lo vendendo, pois nem sempre você irá conseguir um investidor.
  6. Pessoas convencionais têm preconceito com vendas, muito cuidado neste ponto pois qui pode ser você o preconceituoso, é comum a pessoas dizerem que não nasceram para vender ou não têm o dom de vender, mesmo a pessoa que pinta, toca ou canta pode aperfeiçoar suas técnicas para ser melhor naquilo que faz.
  7. Muitos ao conquistarem seu primeiro sucesso, querem logo comprar um carro zero como sinal de status. E em vez de aumentarem seu capital de giro, ampliam suas dívidas.
  8. Outros ficam apegados e por isso perdem o timing para vender seu negócio.
  9. Lucro não é pecado e sonhar não é para alienados.
  10. Você vai atrair interesseiros. Saiba quem é quem nesse game.

Espero sinceramente que os 10 segredos de sucesso de Flávio Augusto, possam ajudar você a melhorar a cada dia o rumo dos seus negócios como me têm ajudado a mim.

Caso tenha gostado do artigo, compartilhe-o nas redes sociais.

Qual foi o segredo de sucesso de Flávio Augusto que você mais curtiu? Escreva nos comentários. Vamos adorar saber!